Temas do fórum mundial estão liberados para consulta on-line

Está liberada para consulta pela internet a coletânea dos temas (ementário) a serem debatidos no 2º Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica. Aprovado em reunião do comitê organizador do encontro, em setembro, o documento serve de orientação para as discussões. O fórum será realizado em Florianópolis, de 28 maio a 1º de junho do próximo ano.

Os participantes do encontro falarão sobre universalização, democratização, emancipação, sustentabilidade, tecnologia e inovação e desenvolvimento sustentável, entre outros assuntos. No primeiro tema [Educação, Universalização e Democratização], os debates abordarão o contexto mundial em políticas públicas para a educação profissional e tecnológica, educação integral e ações afirmativas. O segundo [Educação, Trabalho e Emancipação] abrangerá trabalho e educação emancipatórios, formação de trabalhadores da educação profissional e perspectivas curriculares. O último [Educação, Tecnologia e Sustentabilidade] tratará de juventude, tecnologia e inovação e desenvolvimento sustentável, além de inovações no mundo do trabalho e da mobilidade estudantil e docente.

Com versão inicial apenas em português, o documento em breve terá tradução para os idiomas oficiais do fórum — inglês, espanhol e francês.

O comitê organizador do encontro reúne cerca de 100 participantes de diversas entidades públicas e particulares. A programação está disponível na página eletrônica do fórum.

MEC

Anúncios

Estudante admite que não criou logo com rosto de Steve Jobs

Ao longo dos últimos dias todas as homenagens tem sido para o ex-CEO da Apple e principal criador de produtos da empresa, Steve Jobs. Mas, nesta segunda, umas das homenagens foi meio que “desconstruída”. Jonathan Mak, de 19 anos, que teria sido primeiro a criar um design que mostra a silhueta de Jobs dentro da mordida do logo da Apple, admitiu que a ideia não foi dele.

O desenho ganhou força após a morte de Jobs na semana passada, mas a ideia já teria sido criada em maio por um design inglês. Mak, estudante da Escola de Design da Universidade Politécnica de Hong Kong, reconheceu que não era o criador original do design, mas disse que não era um “roubo” do designer britânico. “Eu ainda cheguei à solução por conta própria, e minha consciência ainda está limpa, mas eu estarei mais do que contente em reconhecer que de fato alguém fez (o design) antes de mim”, disse Mak a Reuters.

Se não foi o estudante quem criou, acabou sendo ele que o difundiu e acabou gerando a rentabilidade para a ideia que ganhou várias versões para diversos produtos como camisetas desde a morte de Steve Jobs.